Publicado em: Quinta-Feira, 21.05.2015 às 00:00

CPI Enersul/Energisa quer visita ao presidente de TJ-MS e diminui prazo para concessionária entregar


CPI Enersul/Energisa quer visita ao presidente de TJ-MS e diminui prazo para concessionária entregar dados solicitados 

Da assessoria

Foi aprovada na reunião da CPI Enersul/Energisa desta terça (12.05), a visita do presidente da Comissão, deputado estadual Paulo Côrrea ao presidente do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, João Maria Lós, e assim, ser oficialmente notificado da decisão TJ-MS , que determinou a suspensão da investigação da CPI. Segundo os deputados, o conhecimento dessa determinação foi somente por intermédio da imprensa. Também foi aprovado na reunião o prazo de 10 dias para a concessionária de energia Energisa enviar os dados solicitados pela CPI, e não o prazo de 30 dias como havia solicitado a empresa.

Os membros da comissão ainda citaram o relatório da Energisa apresentado através de nota oficial da Enersisa e divulgado pelos meios de comunicação, onde constam investimentos da ordem R$ 500 milhões na renovação de ativos, que é a manutenção da estrutura física passada pelo Governo à concessionária. A CPI quer apurar se esse recurso foi realmente aplicado pela concessionária entre os anos de 2010 e 2015. “Queremos saber se realmente isto está sendo executado, já que hoje, o cidadão está ocupando grande fatia do seu salário para pagar um conta de ernegia elétrica tão alta, a sexta mais cara do mundo. É necessário saber se o que sai do bolso do consumidor realmente está sendo revertido em melhorias no sistema elétrico”, questionou Beto Pereira, relator da CPI.

Após a visita do presidente da comissão ao TJ e a oficialização da notificação da suspensão da CPI, será elaborado pelo órgão de comunicação oficial da Assembleia Legislativa uma nota oficial que fará uma prestação de contas dos trabalhos da CPI até agora e divulgará a intenção da Comissão em querer questionar os 38 nomes das pessoas que receberam bônus da concessionária sem autorização do conselho deliberativo da empresa e se esse repasse interferiu diretamente na conta de energia dos 940 mil consumidores da Enersul/Energisa.

Foto: André Maganha

voltar