PDT discute a Reforma da Previdência em Brasília

O PDT realizou um amplo debate sobre a Reforma da Previdência nesta terça-feira (19), na sede nacional do PDT, em Brasília, com as bancadas do partido na Câmara Federal e no Senado, a Executiva Nacional da legenda, os movimentos, demais lideranças e filiados.

Mediado pelo presidente nacional da legenda, Carlos Lupi, o evento teve a partição do deputado federal Mauro Benevides (professor, doutor em economia e ex-coordenador da campa de Ciro Gomes à Presidência), Ciro, vice-presidente nacional do PDT, os líderes das bancadas do PDT na Câmara e o Senado, deputado federal André Figueiredo e o senador Weverton Rocha e o secretário-geral nacional da legenda, Manoel Dias.

Este foi o primeiro de uma série de debates que percorrerá todo o Brasil, para discutir junto à população um modelo de reforma que se adéque às diferentes realidades sociais do País, que contou também com a participação do deputado federal Dagoberto Nogueira.

O deputado Mauro Benevides apresentou um balanço da economia brasileira, no âmbito fiscal e no sistema previdenciário, com uma retrospectiva das medidas apresentadas pelos governos anteriores e o atual, traçando um paralelo ente os déficits e as expectativas de arrecadações previstas pelas propostas. Na sequencia, ele falou sobre o modelo proposto pelo PDT durante as eleições.

Lupi destacou que o evento de hoje marca o protagonista do PDT, o primeiro partido a começar a debater abertamente a questão da Previdência no País.

“O nosso compromisso, enquanto bancada, é aprofundar o debate. Nós queremos debater, fazer uma contraposta. Nós precisamos ter transparência nas contas da previdência. Hoje se divulga números que não são reais. Como se tira 30% da receita do regime da Previdência para o tesouro aplicar como quer, para a chamada DRU?”, questionou Lupi.

Já Ciro defendeu que o modelo do partido mantém a contribuição do empresariado e do governo com tributação sobre o faturamento das empresas. O pedetista também defendeu não considerar razoável tratar de forma igual a aposentadoria entre mulheres e homens e entre trabalhadores rurais e dos “engravatados da cidade no ar-condicionado”.

“Nós podemos fazer de conta que fazemos oposição só porque fazemos barulho. Ou então buscamos, como fizemos de avançar na negociação da lei antiterrorismo, que foi montada claramente para avançar contra movimentos sociais”, avaliou Ciro.

Cartilha
O PDT também irá elaborar uma cartilha com as premissas que o partido considera essenciais para a discussão sobre a Reforma da Previdência. Dentre os pontos selecionados estão: a questão da transparência nas contas da Previdência, que, no entendimento do partido, devem ser claramente colocadas ao povo brasileiro, e a defesa dos direitos adquiridos pela população.

Com informações do PDT Nacional – Elizângela Isaque

Fotografia de capa – Alexandre Amarante

Deixe uma resposta