Deputado Dagoberto Nogueira apresenta Projeto de Lei para incluir jornalistas na vacinação da COVID-19

Brasil é o país com maior número de mortos desta categoria por covid.

A Fenaj (Federação Nacional dos Jornalistas) divulgou nesta terça-feira (6), véspera do Dia do Jornalista e data em que o País ultrapassou pela primeira vez desde o início da pandemia a marca de 4.000 mortos em 24 horas por covid-19, um levantamento que mostra que o Brasil é o país com o maior número de mortes de jornalista pelo novo coronavírus no mundo.

De acordo com levantamento, 169 jornalistas profissionais morreram entre abril de 2020 e março de 2021 vítimas da covid. Os dados fazem parte do dossiê “Jornalistas vitimados por covid-19”, que mostra também que em três meses o número de mortes neste ano supera todo o ano de 2020.

Em Mato Grosso do Sul, estado do parlamentar, a situação não está diferente, em um curto espaço de tempo mais de sete profissionais contraíram a doença e foram a óbito, fora a curva de contaminação que têm sido altíssima, já que a categoria está nas ruas para levar informação a população.

O Projeto de Lei 1317/2021, foi protocolado na Câmara nesta quinta-feira (8), com a justificativa de que classe jornalística está entre as atividades essenciais durante a pandemia do Coronavírus, levando informação de qualidade à população de todo o país. No entanto, além de estarem no front da batalha contra a desinformação, jornalistas, cinegrafistas, radialistas, fotógrafos e outros profissionais estão enfrentando condições de trabalho difíceis, ditadas pelo risco de contágio e pelo isolamento social, agregado ao fato de que estão sendo duramente golpeados com constantes ataques e agressões.

De acordo com o deputado a iniciativa se deu pela mobilização da categoria em seu estado e pelo dossiê divulgado pela FENAJ. “Nosso mandato está atento a todas as categorias de linha de frente da COVID-19, apoiamos todos os PL que trouxeram as questões dos professores, segurança pública, pessoas com deficiência e comorbidades e com o relato de que os jornalistas possuem 52% de chance de contágio, achamos por bem encampar esta luta, pois sem informação não existe conscientização da importância do isolamento e da imunização e é mídia que traz isso para nós”, informa.

O Projeto de Lei segue para análise da Casa de Leis e depois para votação em plenário, reforçando a necessidade de mobilização da categoria, o parlamentar ressaltou. “Agora é o momento de união dos jornalistas brasileiros, através de suas organizações sindicais, conselhos, federação, entre outras, para podermos passar o PL na Câmara, no Senado e conseguirmos a sanção presidencial”, conclui.

No Brasil, o município de Teresina/ Piauí, já anunciou decreto para incluir, dentre outras categorias, as de jornalista como prioritárias para a vacinação.  

Deixe uma resposta